Gallery wall afetivo: uma parede de memórias

Vinícius de Medeiros, gerente de projetos e parcerias do Westwing, mostra sua composição repleta de afeto, lembranças e personalidade

Por Renata Vilela

 

Você sabia que as paredes da nossa casa podem ganhar o protagonismo e atuar como pano de fundo para quadros e decorativos cheios de personalidade e memórias afetivas? Vinícius de Medeiros, gerente de projetos e parcerias do Westwing, que o diga… Dono de um gallery wall superespecial – e lindo de se ver -, ele nos contou um pouco sobre o processo que envolveu a montagem dessa sua parede de afetos e lembranças especiais. Olha só! 

Parede de memórias / gallery wall / objetos na parede / westwing.com.br

 

Sonho antigo 

“A minha parede de memórias começou a ser idealizada quando eu era criança. Eu queria muito decorar o meu quarto e até desenhava o ‘projeto’, com uma lista de coisas que eu gostaria de comprar. Mas a construção dessa parede começou quando passei a morar na casa em que vivo há 4 anos, com presentes que ganhei de amigos, lembranças de lugares que visitei ou em que trabalhei, e até fragmentos da minha infância”.

 

Qual parede escolher?

“Um dia, reuni todos esses objetos cheios de memória afetiva e decidi posicioná-los na parede que fica em frente à minha cama, no meu quarto. É um lugar que estou sempre olhando e que me conta muitas histórias de momentos diferentes da minha vida”, ele explica.

WestwingNow com campo de busca e lupa para pesquisa | now.westwing.com.br|Powered by Rock Convert

 

O processo criativo

Vinícius nos contou ainda que a montagem do seu gallery wall foi um processo muito orgânico: “Comecei com uma linha de objetos e fui agregando outros ao longo do tempo, o que me deu margem para mudar as peças de lugar, conforme chegavam outras. Foi um processo lento e muito natural”. 

Parede de memórias / gallery wall / objetos na parede / westwing.com.br

 

Qual estilo seguir? Devo definir uma categoria de itens?

“Não existe um conceito único ou uma categoria de objetos na minha parede. Gosto de explorar essa diversidade de origens, funções e histórias dos objetos, o que foi traduzido por meio de plantas, quadros, fotos, bordados, esculturas, pratos, teares…”, conta.

 

Dica esperta

Se você ficou com vontade de criar a sua própria parede de memórias, aqui vai uma dica: faça uma prévia do layout em um papel pardo, coloque os objetos da forma que desejar e realize o contorno com um lápis. Assim, você visualiza a composição antes de pendurar as peças. 

 

Renata Vilela

Já conhece o nosso App?

Baixe agora

Baixe agora
Offline