Arte do grafite

Espaços públicos são transformados, paredes ganham vidas, desenhos contam histórias… Na próxima semana, dia 27, comemoramos o dia do grafite e queremos saber se você conhece a história dessa arte? O movimento começou a ganhar força nos anos 70 e, de lá pra cá, passou por grandes mudanças. O filósofo e pesquisador Pedro Moreira, que estuda sobre grafite e pichação na USP conta um pouco sobre as gerações passadas e as atuais.

Grafite arte urbana

“Podemos partir da tradição do grafite nova-iorquino, associado com o movimento hip hop. Nessa corrente ele deixa de ser tão autorreferencial e se baseia muito em letreiros, dando atenção à pintura das figuras e personagens. Não que o grafite tradicional tenha deixado de ser praticado, mas de maneira conceitual e geral é possível afirmar que as artes começaram a ser direcionadas a um público mais geral, ao contrário dos anos 70 e 80 que era direcionado aos próprios grafiteiros.”

Outra novidade que Moreira identifica nas últimas décadas é a introdução dos temas abstratos. Ao redor do mundo podemos ver cada vez mais paredes estilizadas, vielas que recebem protestos e expressões criativas que invadem os muros. Para você conhecer um pouco mais, separamos algumas cidades grafitadas!

Berlim

O Muro de Berlim é uma verdadeira galeria a céu aberto com mais de cem grafites. Chama a atenção pelo valor simbólico e intensidade crítica.

 

Grafite Muro de Berlim.
César Olhagaray grafite.
Grafite de César Olhagaray nasceu para refletir as consequências da reunificação alemã.

Buenos aires

É comum se sentir rodeado por inspirações quando se caminha nas ruas de Buenos Aires. Da arquitetura à pintura e chegando à arte urbana, a cidade vive em movimento cultural!

Arte urbana em Buenos Aires.
Em Buenos Aires a arte do grafite não aparece só nas ruas, mas também em bares e restaurantes. O street art também marca presença.

Katowice

Essa cidade polonesa merece uma visita dos amantes do grafite, principalmente durante seu festival de street art. Um dos artistas de destaque que já fez intervenção no local foi o espanhol Escif.

Katowice cidade polonesa com grafites.

Londres

Destino obrigatório! Com o Leake street tunnel ou a Brick Lane, a cidade tem grafites alternativos e famosos. Além disso, conta com o trabalho de um dos artistas mais consagrados da história: Banksy.

6CidadesGrafites
Foto © Site oficial de Banksy.
Paredes de Londres. Grafites.
No meio das ruas de Londres você também encontrará diversos manifestos artísticos.

Melbourne

É uma das capitais da arte de rua. Suas expressões artísticas incluem estêncil, murais e inspirações de todos os tipos. O governo promove e valoriza os trabalhos!

Melbourne grafite. Arte do grafite.

Paris

Tantos museus e galerias apaixonantes em Paris. Mas você também pode encontrar a arte em uma simples caminhada, basta observar os muros da cidade. Cores e traços instigantes em grafites de grandes artistas!

Paris cidade grafitada. Desenhos em Paris.

São Paulo

E é claro que não poderíamos deixar São Paulo de fora! Em todos os bairros podemos encontrar uma manifestação da arte de rua. Com muitas pessoas talentosas, a cidade é colorida pelos grafites desde dos anos 80.

Eduardo Kobra homenageia Oscar Niemeyer
A homenagem de Eduardo Kobra ao arquiteto Niemeyer pode ser vista na Avenida Paulista.
Instagrafite projeto de arte urbana em São Paulo.
Foto © Instagrafite – Projeto com mais de 1 milhão de seguidores no Instagram propõe novo olhar à arte urbana.
OSGEMEOS grafite em São Paulo Radial Leste.
Foto © Site Oficial OSGEMEOS – Os irmãos, em parceria com o francês JR, alertaram para a escassez de água com desenho na Avenida Radial Leste.

Ao redor do mundo há ainda muitas outras paredes e artistas criativos para conhecer! Quem é fã ou quer conhecer um pouco mais sobre a arte do grafite, fica a dica do pesquisador Pedro Moreira:

“Existem vários nomes se destacando atualmente. Aqui em São Paulo, por exemplo, tem o Nunca, Enivo, Falge, Zezão, Flip e muitos outros. Fora do Brasil eu acompanho o trabalho da Miss Van, francesa que ganhou notoriedade pintando na Espanha; Blek Le Rat e Space Invader que também são da França; o Doze Green e Barry McGee dos EUA, o italiano Blu… São muitas pessoas, é importante ficar atento para ver o que está rolando nos cenários locais e internacional.”

Blu grafite em Lisboa.
Foto © Divulgação – Grafite do italiano Blu, em Lisboa

Priscila Silvério

Já conhece o nosso App?

Baixe agora
Baixe agora