Com a palavra... Verena Smit

Westwing lança primeira linha de produtos em parceria com a artista visual Verena Smit e traz peças com múltiplas funções

No universo da multiartista paulistana Verena Smit as palavras permeiam todos os espaços. São elas a principal matéria-prima de seu ofício, que começou no meio digital e, com o tempo, tomou forma, dimensão e textura em papéis, tecidos e objetos, ganhando status de obras de arte. Hoje, suas mensagens, frases, poemas e provocações refletem seu estado de espírito, traduzem seus pensamentos e posicionamentos em relação ao mundo, sintetizando os temas mais urgentes, como feminismo, pandemia, isolamento, política, afeto e amor. 

Verena Smit, multiartista | westwing.com.br

Há cerca de um ano, Verena criou o Studio VS, estúdio criativo onde transforma seu trabalho digital em objetos únicos, colecionáveis e acessíveis. “São peças que podem ter um uso prático ou que podem ser colocadas como peças de arte”, explica a artista. Utilizando-se dessa lógica, Verena aceitou o convite do Westwing para desenvolver uma linha exclusiva de produtos que cabem tanto na decoração como no dia a dia da casa – há pratos, guardanapos, almofadas, bandeiras.

“De todas as peças, eu amo os pratos poemas, os guardanapos e as bandeiras. Os pratos e os guardanapos porque imprimem perfeitamente a ideia do uso múltiplo, que é possível usar à mesa ou colocar na parede, por exemplo”, diz sobre as peças que podem ser combinadas de diversas formas –“fome de você”, “fome de tempo”, apetite de futuro”, apetite de amor” são algumas das frases que estampam os pratos. Os guardanapos trazem textos especiais: cartas de amor escritas por mulheres do século 17 e 18. “Todo o processo criativo foi um reflexo do meu período isolada em casa e, claro, do momento global que estamos vivendo. Na época, estava lendo o livro Cartas de Amor de Mulheres Notáveis e escolhi seis delas para virarem os guardanapos”. Nas peças, por exemplo, há escritos de Abigail Adams, ex-primeira dama dos Estados Unidos, e Josefina, imperatriz da França, que foi casada com Napoleão Bonaparte.

Em relação às bandeiras, Verena já tinha o desejo de imprimir as frases em tecidos e em dimensões maiores das que já havia produzido para o Studio VS. “Trouxe frases novas e inéditas para esse momento. Elas estavam na minha cabeça também por causa da pandemia, de você, de certa forma “hastear” um pensamento”, detalha. “Make home great again”, “Come sweet come” são algumas delas. Em sua primeira parceria com a marca, a multiartista ainda trouxe capas de almofadas que “falam”, como a que diz: “Sit, let’s talk”. 

Verena Smit desenvolve coleção para Westwing | westwing.com.br
Banner all type Black friday extraordinária Westwing até 70% OFF e entrega expressa - compre agora | westwing.com.brPowered by Rock Convert

 

OPOSTOS

Ao longo dos primeiros meses de isolamento, Verena criou a série que se chama entres na máquina de escrever, que traz frases sobre alguns opostos vividos durante a pandemia: “entre a saudade e o excesso de intimidade”, “entre a ansiedade e a serenidade”, “entre a euforia e a melancolia”. “Fiz um projeto de arte urbana colaborativo com apoio da Secretaria Municipal de Cultura, onde espalhei mais de 200 lambes por São Paulo com a mensagem “tudo vai passar/tudo vai pulsar”. Agora, entrei na fase colaborativa que consiste na doação de um valor que é revertido em uma cesta básica e a aplicação do lambe na cidade. Para fazermos tudo pulsar novamente”.

 Desde que passou a dar formas às suas ideias, instalações da artista podem ser vistas espalhadas pela cidade. No início do ano, o Centro Cultural São Paulo expôs a obra Tempo de Mudar, um relógio colocado na parte externa do prédio, em que as letras substituem os números de um relógio. No Baixo Augusta, no centro, três meses atrás Verena inaugurou uma instalação, em neon, na empena (a parede lateral) de um prédio que traz a pergunta Você sente o que eu sinto?.

Para seu próximo projeto autoral, Verena, 36 anos, começou a investigar os escritos e os gestos das ruas, com foco voltado para o centro de São Paulo. “Não é um estudo sobre as letras ou o pixo, é algo voltado para o gestual e gráfico. Comecei a fazer um recorte fotográfico e tem coisas muito bonitas, parecem pinturas abstratas”, conta a artista. Ou seja: vem (mais) coisa boa por aí! 

Verena Smit | Westwing.com.br

 

Fotos por: Carine Wallauer.

Gabriella Mondroni

Já conhece o nosso App?

Baixe agora

Baixe agora
Offline