Roberto Burle Marx

Roberto Burle Marx

Compartilhe

WESTWING NA MÍDIA:
Quer saber mais? Leia nosso guia!

Guia Westwing paraRoberto Burle Marx

Parte da tradicional família pernambucana de ascendência francesa Burle Dubeux, Roberto Burle Marx viu nascer seu interesse pelas plantas e pela música com sua mãe, Cecilia Burle, que sempre foi excelente pianista e cantora. Desde pequeno, Roberto Burle Marx fazia companhia para sua mãe e a ajudava a cuidar diariamente de diversas flores e plantas, plantadas em seu jardim. Já com a ama de leite, Ana Piascek, podia preparar os canteiros e olhar como acontecia a germinação das sementes do jardim e da horta.

Na adolescência, as 19 anos, Roberto Burle Marx teve um problema nos olhos. Foi ai que, em busca de tratamento, sua família resolveu morar na Alemanha. De 1928 a 1929, fixaram residência em Berlim, foi neste período que ele conheceu as vanguardas artísticas, resultando em uma enorme paixão pela vegetação brasileira, localizada na estufa do Jardim Botânico de Dahlem. O Westwing tem o grande prazer de apresentar a vida e obra do paisagista.

Difícil escolha: pintura e plantas

Roberto Burle Marx nutria um grande interesse em desenhar a figura humana e por este motivo se viu dividido entre a pintura e as plantas. Foi então que decidiu estudar pintura e a visitar semanalmente o Jardim Botânico.

Com olhar observador para desvendar as espécies que se encontravam ali, Roberto Burle Marx acabava misturando seus conhecimentos vindos do ateliê de pintura Degner Klemn. Uma dupla que acabou por gerar um estilo de pintura preso ao expressionismo na década de 20, quanto a ordenação de figuras, formas estilizadas e/ou estilizadas e cores intensas, com o intuito de imprimir cenas intimistas com nus femininos, naturezas mortas, paisagens e até mesmo favelas.

Ja na década de 40, Roberto Burle Marx, começa a se interessar pelo estilo pré-cubista e cubista de Cézanne, Picasso, Braque, Léger, Gris, Lhote, entre outros. Considerando sem igual as obras de Braque, por sua influência na arte contemporânea e sua compreensão em relação ao conceito pictórico.

Neste período seu trabalho consistia em utilizar óleo, gauche e a combinação destes materiais para produzir sua arte. Explicando o fato de inúmeras obras lembrarem desenhos coloridos, pois era atribuído a mesma técnica na pintura, na estamparia e na pintura sobre tecido.

Roberto Burle Marx: Paisagismo versus pintura

Renomado internacionalmente como paisagista, Roberto Burle Marx também ficou conhecido como um primordial pintor, escultor, tapeceiro, ceramista e designer de joias.

Com isso, mesmo sem aprender formalmente a arquitetura paisagista, a pintura influenciou nas criações de seus jardins, sempre pintando com as plantas e se definindo como um artista de jardins.

Preocupação ambiental de Roberto Burle Marx

Preocupado em preservar a flora brasileira, Roberto Burle Marx, revolucionou quando utilizou plantas nativas do Brasil em suas criações, o que se tornou a sua característica mais marcante.

Atualmente, por conta disso, certas plantas da Mata Atlântica ganharam maior visibilidade e vem sendo cultivadas em diversos viveiros. Este foi o motivo que tornou o estilo de Roberto Burle Marx o sinônimo de paisagismo brasileiro no mundo todo.

Por este motivo o paisagismo modifica o local, se tornando o ponto focal de qualquer ambientação e promovendo um toque natural, de modo artístico, o que nos remete a uma obra de arte, totalmente exclusiva e mutativa.

Próximas campanhas