Daniel Bordi

Imagine passar a infância e crescer sempre rodeado pela arte. Foi assim com Daniel Bordi. Sua mãe era artista plástica e o pai costumava desenhar e pintar nos tempos da juventude. Quando começou a trabalhar, Daniel se viu preso às regras da publicidade e precisava seguir prazos, orçamentos e direcionamentos.

Daniel Bordi e obras coloridas.

Ainda assim, o gosto pelo desenho apontou outros caminhos e a temporada de 11 meses na Itália trouxe novas possibilidades. “Fui para lá trabalhar em uma agência. Estava tão frio que, de madrugada, eu não conseguia nem sair de casa. Aí resolvi tirar os trabalhos do computador e fazer à mão, produzir os quadros”, relembra. O resultado é uma série de criações com linguagem vibrante que causa impacto em um primeiro momento e nos envolve pela não linearidade e ausência de significados óbvios.

Arte e história de Daniel Bordi, artista com estilo colorido.

Da Itália para o mundo

Daniel Bordi nasceu em Campinas e se mudou para São Paulo há cerca de dez anos. Com 31 anos, ele já possui uma vasta formação adquirida na Type Design e Design Digital em Milão, além de ter estudado na Poli Design e na Nuova Accademia di Belle Arti.

Daniel Bordi quadros. Arte livre e vibrante.

Sua vida mudou completamente depois de 2011, o ano na Itália. Ali o povo costuma apostar em tons de marrom e creme. Quando apresentou suas obras coloridas e com figuras marcantes, os italianos se surpreenderam. E gostaram. Após expor em uma enoteca, começou a chamar a atenção de alguns jornalistas e artistas.

Daniel Bordi. Obras de arte nacionais.

Um pouco antes de retornar ao Brasil, foi convidado para uma exposição de porte maior e, infelizmente, não pode participar. “Era em um museu. Deixei os quadros com um amigo e voltei para cá”. De qualquer maneira, os eventos renderam bons comentários e as artes passaram a ser recebidas positivamente em vários países, inclusive na França e Rússia.

Arte nacional. Daniel Bordi artista.

A regra é não ter regras!

A explosão de cores, o traço livre, a quebra de padrões e a vontade de não seguir nenhuma regra são algumas características presentes na arte de Daniel Bordi. As ferramentas principais? Telas, papéis italianos, tinta acrílica e uni posca. O começo da carreira de Romero Britto serviu de inspiração ao artista. Nomes de peso como Miró, Dalí e Kandinsky também influenciam seu trabalho. Mas tudo que podemos captar das obras veio graças ao olhar atento em relação ao cotidiano. Ele conta:

“Faz dez anos que moro aqui [São Paulo]. Comecei a observar a cidade. Tem baiano que usa roupa colorida, nordestino com seu chapéu típico e por aí vai. Reparei que a maneira de viver das pessoas é diferente. Muda a roupa, a cor do carro… Há quem seja mais ousado porque veio de outros lugares em que alguns hábitos são normais. Então comecei a observar a vida e percebi que é tudo colorido. Não estou pintando nada de estranho. As cores são simplesmente o meu mundo.”

Ateliê Daniel Bordi.

Os acontecimentos da vida e os sentimentos costumam ser registrados e, nem sempre, oferecem um sentido óbvio para o público. O que ele realmente propõe é criar sem regra alguma e com o espírito livre. Por isso, as curvas aparecem mais do que as retas, desenhos desconexos formam uma mesma peça e o abstrato se une a algo que existe.

Além disso, há uma proposta de compor da forma que quiser. “O quadro não precisa ficar reto, pode ficar de ponta cabeça que também vai funcionar. A grande maioria dos meus quadros você pode colocar de qualquer lado. Não gosto da regra na minha arte. Acho que a ideia é: cansou? Vira de ponta cabeça que o quadro se torna outro, ainda que seja o mesmo… A ideia é ter liberdade”, explica Daniel.

Espaço de trabalho do artista Daniel Bordi.

Conheça agora!
A ideia para os próximos anos é viver cada vez mais de arte. Ampliar o portfólio aplicando as criações em outros tipos de produtos. Enquanto isso, você pode acompanhar mais sobre o artista clicando aqui.

Teresa Mayer

Já conhece o nosso App?

Baixe agora
Baixe agora