Le Corbusier

Le Corbusier

Compartilhe

WESTWING NA MÍDIA:
Quer saber mais? Leia nosso guia!

Guia Westwing paraLe Corbusier

Famoso arquiteto e designer, Le Corbusier ficou mundialmente conhecido por seu trabalho durante a década de 1920. Mais do que um estudioso da arquitetura, suas ideias formaram o que hoje é conhecido como international style e a estética característica do modernismo. Le Corbusier foi uma mente criativa e, graças às suas ideias e seu conceito estético moderno, revolucionou o jeito de pensar sobre arquitetura e design de interiores, com trabalhos projetados para garantir funcionalidade e conforto.

Entre as principais criações assinadas pelo profissional estão os trabalhos intitulados LC1 e LC7, duas cadeiras consideradas obras pontuais do design mundial. Construções de grandes prédios também estão na lista de obras desenvolvidas por Le Corbusier. Edifícios como o Secretariado de Chandigarh na Índia, a Unité d'Habitation em Marselha, a Capela Notre-Dame-du-Haut em Ronchamp e o Canal du Rhône au Rhin são exemplos. No Westwing você conhece um pouco mais sobre esse grande artista. Confira!

A Vida de Le Corbusier

Le Corbusier nasceu em 1887 como Charles-Édouard Jeanneret-Gris, em La Chaux-de-Fonds, na Suíça. Seu pai era um gravador e fabricante de relógios, enquanto sua mãe era professora de música.

Charles-Edouard frequentou a Escola de Belas Artes e seus interesses versavam especialmente sobre tudo o que dizia respeito à arquitetura e à pintura.

No início do século XX, Le Corbusier decidiu viajar para a Europa. Ele visitou Milão, Florença, Pádua, Veneza, Budapeste, Viena, Paris, Constantinopla, Atenas, Pompeia, Roma e Berlim. Na Alemanha, passou parte de seu tempo nos estúdios de Peter Behrens em Neubabelsberg, na cidade de Potsdam. E foi nesse lugar que ele ganhou popularidade graças ao trabalho de Ludwig Mies van de Rohe, Walter Gropius e Frank Lloyd Wright.

Durante a sua estadia na Europa, Le Corbusier completou seus estudos em arquitetura e aquarela, além de trabalhar em diversos projetos, a fim de, em seguida, ensinar na Escola de Belas Artes de sua cidade. Paralelamente, ele também começou a trabalhar de forma independente como arquiteto e designer de interiores.

Vida em Paris

1917: Le Corbusier se mudou para Paris, onde conheceu o pintor Amédée Ozenfant. As discussões que tiveram sobre cubismo os levaram a escrever um manifesto sobre o purismo. Em 1919, em colaboração com Derme Paulo, fundaram a revista L’Esprit Nouveau para difundir suas ideias sobre estética. E foi em 1920, nessa mesma revista, que escreveu pela primeira vez sob o pseudônimo Le Corbusier, uma referência ao nome de seu bisavô. Em um de seus artigos escritos para a L’Esprit Nouveau, Le Corbusier desenvolveu os “cinco pontos da arquitetura moderna”, o que mais tarde foram resumidos em seu livro Vers une Architecture, de 1923.

1922: Neste período, Le Corbusier e seu primo Pierre Jeanneret fundaram um escritório de arquitetura em colaboração com Ozenfant, que foi reconhecido após participar da Exposition Internationale des Arts Décoratifs, em 1925.

1927: Le Corbusier e Pierre Jeanneret participaram de uma competição para a construção do edifício do Parlamento de Genebra. A dupla ganhou o primeiro lugar, mas falhou na conclusão de algumas formalidades e, portanto, não pôde participar do projeto. Apesar de tudo, Le Corbusier construiu o edifício Weissenhofsiedlung, em Stuttgart, de acordo com seus cinco princípios.

1928: Participou do Congrès International d’Architecture Moderne.

1929: Le Corbusier fez sua primeira viagem à América do Sul, durante a qual se encontrou Josephine Baker, que o inspirou na construção da Villa Savoye. Também durante esse período, Le Corbusier e a estilista Charlotte Perriand desenharam uma linha de móveis, que deu origem às peças LC1 até a LC7, consideradas obras pontuais do design mundial.

1930: Le Corbusier adquiriu sua cidadania francesa e casou-se com Yvonne Gallis, modelo e designer de Mônaco. Ele participou de outros trabalhos e publicações, como a Furore.

1933: Le Corbusier desenvolveu o modelo da Carta de Atenas, que previa o projeto de uma cidade que integrasse diversos aspectos funcionais, inclusive um sistema de transporte. Em seguida, realizou uma segunda viagem à América do Sul.

Segunda Guerra Mundial: Em 1940, Le Corbusier fechou seu estúdio de arquitetura e mudou-se para os Pireneus. Em 1941, após a ocupação francesa, ele se transfere para Vichy, onde simpatizou com o regime político e para o qual contribuiu com fantásticas obras. Durante este período, Le Corbusier projetou o Modulor – um método de medição baseado nas proporções humanas, na razão áurea dos matemáticos gregos e na sequência numérica de Fibonacci.

Após a Segunda Guerra Mundial, Le Corbusier retomou seus trabalhos e abriu um novo estúdio em Paris, quando se tornou um membro da comissão de arquitetos da cidade. Além disso, ele conheceu Albert Einstein e viajou para os EUA. Lá, Le Corbusier participou do planejamento do Escritório das Nações Unidas, em Nova York.

O arquiteto foi responsável por construir outros grandes edifícios como o Secretariado de Chandigarh na Índia, a Unité d’Habitation em Marselha, a Capela Notre-Dame-du-Haut em Ronchamp e o Canal du Rhône au Rhin, além do Museu Nacional de Arte Ocidental em Tóquio e o Carpenter Center for Visual Arts da universidade de Harvard.

Le Corbusier morreu aos 78 anos em decorrência de um ataque cardíaco enquanto nadava em Roquebrune-Cap-Martin, onde mantinha sua casa de férias, chamada Le Cabanon. Seu funeral foi um espetáculo acompanhado pela mídia internacional, traduzindo a importância e a influência que seu trabalho teve para o design. Durante sua vida, Le Corbusier ganhou diversos prêmios e muitos de seus trabalhos são reconhecidos até hoje como uma das mais expoentes obras da cultura mundial.

As Obras de Le Corbusier

Apesar de seu projeto da Unité d’Habitation, Le Corbusier não era fã de da desumanização dos espaços, mas da maximização da funcionalidade, tornando-os capazes de atender a todas as necessidades das pessoas com uma estética radical e que, ao mesmo tempo, respondesse aos conceitos de eficiência.

O acabamento e a decoração, definindos como fins em si mesmos, não seriam necessários. O Modulor, de fato, mostrou como as pessoas eram um ponto de partida para o seu raciocínio.

Seus prédios ainda são de extraordinária beleza e isso é explicado pelo princípio dos cinco pontos:

Pilares, que dão leveza aos edifícios;
• Um plano aberto, cuja implementação é possível graças ao jogo espacial criado com as paredes;
• Uma frente aberta, com janelas compridas e horizontais, o que permitiria a entrada de luz sem problemas;
• Um jardim no terraço, que dispõe o espaço certo para a natureza.

Todos esses itens podem ser encontrados na maioria dos edifícios que seguem o estilo moderno no Brasil e no mundo.

Móveis com Design

A marca italiana Cassina é a fabricante da linha de móveis desenhados por Le Corbusier, sendo dona de um terço de sua linha LC. Estes móveis, também referidos como “equipamentos”, são a representação material dos princípios artísticos de Le Corbusier.

LC1: é uma cadeira com um quadro de metal cromado com assento em couro.

LC2 Grand Confort Chair: poltrona estofada couro com estrutura em metal cromado ou aço esmaldato.

LC3 Petit Confort: sofá acolchoado em couro com estrutura em metal cromado ou aço esmaltado.

LC4: Chaise longue (divã) no formato de um semicírculo, com acabamento em metal cromado e assento em couro.

LC5: sofá com um apoio discreto e simples, com revestimento em couro.

LC6: mesa com apoio para o tampo de vidro escuro em aço.

LC7: uma cadeira simples, mas com uma engenhosa base giratória.

Westwing: O Extraordinário Mundo da Sua Casa!

Próximas campanhas